15 lugares para conhecer melhor a cidade de São Paulo

Conhecer São Paulo - Paulista

Fim de tarde na Avenida Paulista

 

É isso mesmo. Se você quer poder dizer que conhece São Paulo, é bom que conheça esses lugares. E não se trata de ser ou não ser clichê, até porque alguns destes lugares realmente não são, e além disso, há de se respeitar o indispensável. Podemos dizer que esse tipo de lista serve pra você conversar com nativos praticamente de igual pra igual.

Pra quem gosta das metrópoles e as aceita com todos os seus defeitos (se aguenta poluição e filas em NY, por que não em SP? 😀 ), São Paulo é um prato cheio: de história, de cultura, de influências, de gostos, de tendências, de tribos, de liberdade (não o bairro, o sentimento) e de cosmopolidade. Há quem não goste de se sentir mais um em meio a multidão, mas há quem saiba aproveitar esse momento por lá. Vamos ao que interessa:

Avenida Paulista: da Praça do Ciclista até a Brigadeiro (e além), você vai ver de tudo um pouco. Arranha-céus impressionantes, torres de comunicação super iluminadas, o Conjunto Nacional (destaque para a Livraria Cultura, que começou como uma lojinha de livros e hoje é simplesmente incrível), o telão do prédio da FIEP, os shoppings, os teatros, os bares, as lojas, o Trianon, o MASP e toda a face mais capitalista, megalópole e cosmópole da cidade. Andar por ali à noite (com certo cuidado) é respirar São Paulo. Aos domingos a Paulista fica fechada e vira “a praia dos paulistanos” com muita música, arte e tudo que é possível fazer em uma avenida gigantesca dedicada ao público. Não é raro encontrar artistas famosos e consagrados, como Maria Gadú, Lenine e Caetano, fazendo sua música por ali.

Conhecer São Paulo - Vila Mariana

 

Vila Mariana: sabe aquela que, apesar de ter crescido, não perde a sua essência? Essa é a Vila Mariana, o bairro mais vilarejo de SP. Com suas casas próximas umas das outras e seus quintais com os mais coloridos e diversificados jardins, ela encanta quem passa. Tem uma vida noturna considerável, com alguns dos bares mais tradicionais da cidade, como o Veloso, o Genuíno, o Barxaréu e outros na Joaquim Távora ou na famosa Vergueiro (extensão da Avenida Paulista). Parece um bom local pra uma casa de vó. Apaixonante!

Vila Madalena: a Madalena é mais jovem. Não tem nada de vó. Ali fica o famoso Beco do Batman, um lugar cercado por diversos muros grafitados por artistas de vários lugares do mundo. Como toda arte de rua, está sempre se renovando. Ali você também pode encontrar alguns barzinhos, hamburguerias e restaurantes de estilos variados (do simples ao sofisticado), alguns com música ao vivo e outros que dominam até as calçadas (tamanha a lotação). Os preços são em média bem razoáveis, mas depende muito do estabelecimento.

Conhecer São Paulo - Beco do Batman

 

* Dica de ouro: tem uma casa de chá incrível chamada Bistrô Ó-Chá. Além do chá, tem infusões de todos os tipos e nacionalidades (que você pode levar pra casa a granel, junto com utensílios e objetos decorativos relacionados ao universo da casa). Tem também os bolos, as tortas e outras delícias. Só não tem café! E não ouse questionar o dono do lugar (que é super gente boa) por isso. Você vai levar bronca! Se bem que depois da bronca pode vir a melhor aula sobre chá e infusões que você jamais teve na vida. Então vale a pena provocar! 😆

Rua Augusta: perto dessa, a Madalena é recatada, e até sofisticada. Alternativa é o que define essa extensa rua cheia de personalidade. Ela cruza a Avenida Paulista. De um lado, segue pro centro, pra praça Roosevelt e é pura loucura. Digamos que é o lado dark e mais perigoso durante a noite. Ali rolam uns barzinhos legais como o Tex Redneck Bar (estilo tex mex com pista de dança, de boliche, karaoke, snooker e fliperama), o Sancho (bar típico espanhol), o Violeta, o Charme da Paulista e o Comedians (aquele bar de comédia stand up), entre outros rolês alternativões como a Peixoto Gomide e a Frei Caneca. Do outro lado da Paulista a Augusta é mais voltada ao comércio e adentra o bairro do Jardins. Tem restaurantes mais familiares, lojas (bem menos alternativas), salões de beleza e cruza com a famosa Oscar Freire, nossa próxima indicação.

Conhecer São Paulo - Rua Ausgusta

 

Oscar Freire: um dos metros quadrados mais caros do mercado imobiliário mundial, ao lado da 5ª Avenida e da Champs-Élysées. Ali e no seu entorno (na Haddock Lobo, na Bela Cintra e Alameda Lorena) estão lojas das mais diversas grifes internacionais como Cartier, Versace, Hugo Boss, Salvatore Ferragamo, Louis Vuitton, Dior e Marc Jacobs, bem como marcas de luxo nacionais como a Osklen, a Fórum e a H. Stern. A rua tem algumas lojas conceito de marcas populares como a Havaianas, Melissa e Riachuelo, além de um espaço bem iluminado para caminhar durante o início da noite.

Conhecer São Paulo - Oscar Freire

 

25 de março: aqui é tudo da china e raramente original. Vale a pena ir para comprar artigos de armarinho, bijuterias, artigos para festas e outras miudezas. Ali perto também é possível comprar eletrônicos (não raramente originais), passando o viaduto da Santa Efigênia. Mas tenha cuidado com seus pertences! A região não é violenta, mas é perigosa para roubos de carteiras, bolsas e objetos pessoais. Carregue a mochila na frente do corpo, separe o dinheiro em pequenas quantidades e não se distraia facilmente. Assim, você consegue comprar seus itens com economia, segurança e sem perder nada com isso. Vale dizer que a 25 nos finais de semana é um inferno. Só vá se estiver com muita disposição pra caminhar em meio a uma multidão barulhenta.

Mercado Municipal: fica ali pertinho da 25 de março, mas você pode pegar um Uber e ir direto pra lá. Cuidado com o assédio moral dos vendedores, eles vão tentar te vender alguns quilos das frutas mais exóticas (e caras). Vale a pena experimentar o morango com tâmaras e outras frutas bem diferentes, mas não deixe ele caprichar muito na balança. O famoso sanduíche de mortadela fica ali, em diversas bancas. Eu, particularmente não gosto de alimentos industrializados e muito menos de embutidos (queijos são a minha criptonita, no caso), mas se você gosta ali é o lugar! Como todo mercado, tem de tudo. Se é como eu, venha preparado pra sair carregando vegetais, produtos artesanais, temperos e tudo de mais fresquinho.

Conhecer São Paulo - Mercado Municipal

 

Edifício Copan: obra do Niemeyer. Não precisa falar muito mais, né? Um ícone arquitetônico na cidade de São Paulo. A fachada do edifício está em processo de restauração, mas mesmo assim você pode agendar uma visita ao terraço, de onde pode ter uma vista incrível da cidade. As curvas e as dimensões da construção impressionam.

Centro Histórico: só vale a pena se você gosta de arquitetura. Muita coisa linda, mas muita desigualdade social. Se prepare e venha carregando pouca coisa (isso vale pra toda SP) pra não ter aborrecimentos. O centro é bem extenso e vai da 25 de março até a Praça da República (evite essa praça e arredores) e além. Vale visitar o Banespa, o Viaduto do Chá (que fica ao lado da prefeitura, de onde você pode ver o famoso e assustador Edifício Joelma), o Vale do Anhangabaú, o Shopping Light (tem um outlet da Nike, alguns quiosques bacanas e praça de alimentação) e o inigualável Teatro Municipal. Se programe para assistir a algum espetáculo, e se for à noite, vá e volte de Uber/Táxi.

Bairro da Liberdade: toda megalópole tem um bairro oriental? Se sim, esse é o de São Paulo. Lá você encontra quase todos os ingredientes usados na culinária asiática e outras, além de artigos importados de outras partes do mundo. Tem de tudo, mesmo! Desde eletrodomésticos até roupas típicas. Aos domingos, tem uma feirinha bem legal na Praça da Liberdade. Tem ótimos restaurantes típicos!

Conhecer São Paulo - Bairro da Liberdade

 

Bixiga: bairro italiano colado com a Liberdade. Se quiser comer um autêntico carbonara ou qualquer outro prato italiano, esse é o lugar. Em alguns meses do ano tem festas paroquiais típicas de rua, como a da Nossa Senhora de Achiropita, que tem muita comida, bebida e música italiana. É sensacional!

Ipiranga: foi ali, às margens do rio, que Dom Pedro I declarou a Independência do Brasil. Apesar da gente saber que isso não significou muita coisa lá pros lados do Pará, a história tem o seu valor. O museu ainda está fechado para reformas mas deve ser reaberto em breve. Mesmo assim, vale a pena o passeio para ver a linda Praça da Independência e o monumento. O aquário de São Paulo também fica por ali, mas como não gosto de ver os bichinhos presos, não posso recomendar a visita.

Parque Ibirapuera: dispensa apresentações. É um dos refúgios naturais em São Paulo. Ótimo pra respirar ar fresco, caminhar, andar de bicicleta, ou ver uma exposição em mais uma das obras do Niemeyer espalhadas pela capital. O local também conta com espaço pra eventos e sempre rola algo das mais diversas áreas por lá. Destaque pras aulas de yoga e tai chi gratuitas nos finais de semana! Logo ali também tem o obelisco em homenagem aos heróis da Revolução de 1932. O parque é bem arborizado e ótimo pra um piquenique.

Conhecer São Paulo - Parque Ibirapuera

 

Largo da Batata: forró de domingo e cerveja de garrafa. O pessoal vem pra matar a saudade do norte/nordeste. Não é nada sofisticado mas é muito divertido. Logo ali perto, na Rua Guaicuí, tem alguns bares bem bacanas, entre eles o Pitico (bar do tipo garden com contêiner) e um japonês estilo izakaya, o Mica. Essa rua vale mesmo a pena conhecer!

Faria Lima: é onde estão algumas das maiores multinacionais do Brasil, entre elas o Google e o Facebook/Instagram. Tem diversas opções de restaurantes sofisticados, bancos e toda comodidade bem pertinho. Quando vou a São Paulo sempre dou preferência por ficar hospedada no entorno. Da penúltima vez fui com meus parceiros de business no Faria Lima Blocks, um complexo de contêineres com algumas opções bem bacanas de comidas. Comemos no BROS, um restaurante peruano que é uma delícia!

 

Beijos e qualquer coisa, conte comigo!

Gi Salvatti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *