Viagem para o Pará: Salinas (Salinópolis)

Salinas - Entrada da Cidade

 

Das vezes que ouvi falar sobre Salinas, me falaram de algumas particularidades bem diferentes do que eu já havia encontrado pelos litorais por onde andei. A curiosidade me fez querer ver isso tudo bem de perto. 

Fui surpreendida, de uma maneira pouco positiva (sendo bem sincera). Não acho que praia e carro combinem, muito menos competição de som automotivo. Bom, agora você ja deve ter uma idéia de como é por lá, né ? Os paraenses dizem que Salinas é a praia da ostentação (e é mesmo). Bom, mas isso é mais na praia do atalaia.

Como chegar?

Você tem algumas opções para chegar em Salinas (Salinópolis), partindo da capital Belém, no Pará ou até de outras regiões do país. Cada uma delas pode te oferecer algo em relação ao trajeto ou à viagem como um todo. Veja:

A primeira opção é alugar um carro: dessa forma, você ganha mais liberdade, conforto e autonomia. Só é bom lembrar que o grupo terá que eleger o motorista da rodada caso opte por essa opção. (Para procurar o melhor aluguel de carros para você, eu recomendo a Rent Cars).

A segunda opção que te apresento aqui são os ônibus: neste caso, você acaba ficando mais tranquilo em relação ao carro e ao esforço dedicado na viagem, mas perde um pouco de liberdade para se locomover entre sua hospedagem e os locais de interesse (praias, restaurantes e etc).

A terceira opção é o táxi: no Pará, é comum “rachar” (dividir) o táxi com outros viajantes. Você pode chegar na rodoviária, verificar se alguém tem interesse, combinar com algumas pessoas e então fechar um preço com o taxista. O preço é bem parecido com o que os ônibus cobram pela passagem, então se acabar saindo muito mais caro, é bem provável que tenha alguém tentando te passar pra trás.

*Dica: Não vou indicar as vans. EVITE! É perigoso, o motorista dirigiu como se estivesse pilotando um carrinho de bate-bate, pegam qualquer pessoa na estrada e ainda por cima inúmeros passageiros viajam em pé durante o trajeto to-di-nho. Infelizmente, é perigosíssimo e comum acontecer assaltos nesta opção (só aprendi depois da experiência e você não precisa passar por isso).

Salinas - Orla

 

Onde ficar?

Eu fiquei na casa de uma amiga, mas dei uma pesquisada pra você e essas seriam as minhas escolhas se tivesse que optar por outra opção. Existe também a opção de Airbnb que eu acredito que seja bem melhor do que ficar em hotel, nessa situação.

Hotel Conha do Mar: Possui restaurante, sauna, piscinas e um café da manhã bem caprichado! Fica pertinho da Praia de Atalaia.

Amazônia Atlântico Resort: Fica na Vila de Cuiarana, que fica um pouco antes de chegar na parte mais agitada de Salinas. Lá você encontra mais tranquilidade. É boa para descansar, relaxar e evitar a bagunça. É um dos melhores hotéis da região.

Onde ir?

 

Praia Corvina: é uma das praias que não entra carro e fica dentro da cidade de Salinópolis. É ótima para quem tem filho pequeno, porque não tem perigo de carro passando. Os moradores locais costumam preferir e indicar essa praia: não pude conhecer essa, mas sinto que teria gostado mais.

Praia do Farol Velho: uma praia bem calma, para quem não curte muito som alto e é mais “família”. Fica a 14 km do centro da cidade de Salinas (Salinópolis) Aqui ficam o Marujos Bar e o Chalé do Farol (esse último tem uma vista incrível para a praia).

 

Salinas - Pôr do Sol (Giovanna Salvatti)

 

Lago da Coca Cola: apesar do nome, não tem o patrocínio da gigantesca fábrica de refrigerantes! Ele se chama assim porque a mistura da água doce e salgada, além dos sedimentos do solo, tornam a água bem escura. Isso faz com que ele se diferencie dos demais lagos. Evite ir só, o local não tem fama muito boa quando a segurança esta em pauta.

Orla do Maçarico: O lugar é ótimo para ir correr (é bom ir bem cedo ou depois das 16h30, senão, corre o risco de queimar o couro da cabeça). Depois das 18h é o lugar perfeito para fazer um lanchinho. Às vezes a prefeitura traz alguns shows de bandas locais.

Mercado do Porto Grande: mercado municipal bem completo. Tem até carangueijo vivo! Logo em frente, há um porto. As fotos ali ficam bem legais! 😀

Cafe da Loura (dentro do Mercado Porto Grande): Lugar para tomar café da manhã. Não deixe de provar a tapioquinha, a tapioquinha molhada, o cuscuz e os sucos regionais.

Praia do Atalaia: É a mais conhecida mas eu não voltaria aqui. Esta é a praia ostentação do litoral norte. A única praia que vi na vida em que a entrada de carros é permitida. Parece que isso só foi liberado porque a cidade não tem estacionamento o suficiente para suportar todos os banhistas que frequentam a praia na temporada e nas outras épocas do ano. 

O pessoal toma sol e banho de mar (e bebe nos barzinhos) movimentando os carros durante o dia para que a maré não os leve. À noite, a turma faz um corredor de carros e fica disputando quem tem o som mais alto: é uma bagunça só. Também tem umas “barracas”, que são casas de shows, com programação para todos os finais de semana da alta temporada.

Não preciso nem falar da minha opinião sobre esse lugar, né? Definitivamente: não é para mim.

Beijos e qualquer coisa, conte comigo!

Gi Salvatti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *