Desmistificando a Conscienciologia – Parte II

Conscienciologia Gabriel Curan

 

No post anterior falei, com a ajuda do amigo conscienciólogo Gabriel Curan (comigo na foto acima), sobre os aspectos principais e alguns dos mitos que envolvem a conscienciologia.

Agora, continuaremos a responder algumas questões importantes, para esclarecer e desmistificar esta impressionante filosofia de vida.

O que é carma?

É um sistema lógico: como tudo está interligado, toda energia da ação que você realiza de forma positiva ou negativa, retorna para você. Além disso acredita-se, na conscienciologia, que ao ajudar alguém, atrairá um espírito amparador para perto de si, por sintonia.

Estes espíritos são o que algumas religiões chamam de “protetores”, “anjos da guarda” e etc.

Qual a relação da conscienciologia com a doutrina espírita?

Ambas tiveram forte influência do iluminismo, ou filosofia das luzes, movimento filosófico do século XIX. Esse movimento era centrado na confiança pelo progresso, na razão, pelo desafio à tradição e à autoridade e pelo incentivo à liberdade de pensamento.

A principal diferença é que a conscienciologia busca explicar os fenômenos presentes também no espiritismo de forma mais científica, sob a luz de estudos e experimentos.

É possível ver os espíritos? Como é?

Acreditam que sim, o tempo todo. O Gabriel me explicou que os vêem na forma de pessoas comuns, como eu e você. Na verdade, acreditam que essa visão pode acontecer a qualquer pessoa, dependendo do seu estágio evolutivo, da sua capacidade parapsíquica e da abertura que ela dá energeticamente. Segundo ele, são muitos fatores envolvidos.

No CEAEC as pessoas aprendem alguns mecanismos para que possam enxergá-los.

Estágios Conscienciologia

 

Há nessa filosofia, algo relacionado a não ter filhos?

“Na cidade nós temos essa fama. De que o pessoal da conscienciologia não tem filhos. É mentira! Eu sou filho de um casal conscienciólogos!” disse o Gabriel.

O que acontece é o seguinte: dentro da ciência da conscienciologia tem uma técnica chamada de inversão existencial, e um dos princípios dela é de não ter filhos. A maioria das pessoas que praticam e aplicam essa técnica não têm filhos, pela natureza desta sua vocação, em prol do seu objetivo.

Quem vive para a inversão existencial precisa abdicar de muitas coisas: na vida a maioria das pessoas nascem, crescem e começam a focar em aproveitar a vida em vez de buscar o autoconhecimento.

A idade adulta chega, e inevitavelmente, a velhice também. Então as pessoas, mais velhas, começam a refletir. É comum a sensação de que poderíamos ter aproveitado melhor a vida ou contribuído mais se tivéssemos, na juventude, a cabeça que temos quando ficamos mais velhos.

Essa técnica tem esse objetivo, inverter essa mecânica que é comum para a maioria das pessoas. Iniciar o mais cedo possível essa reflexão, para que lá na velhice elas pensem: “Caraca! Eu realizei muita coisa, eu realmente consegui contribuir para a evolução da humanidade. Consegui ajudar as pessoas e tirar o melhor da minha vida”.

A questão da maternidade, ou da paternidade é que demandam muito tempo e energia. Quando não se tem filhos, há mais tempo livre e pode-se dedicar essa energia para si e para os outros. Quando você se torna pai, ou mãe, por pelo menos uns 20 anos você fica responsável em se dedicar para a formação daquele ser humano.

Mas essa é só uma das técnicas: há pessoas na conscienciologia que a aplicam e outras que não. Afinal de contas, ter filhos é bom e também pode ser uma forma de realização pessoal.

Então, obviamente não há nenhuma obrigatoriedade. Isso é uma escolha pessoal de cada praticante.

Como é para os turistas? Posso visitar?

Sim, eles são muito receptivos. Como já dissemos, um dos principais motivos de Foz do Iguaçu ter sido escolhida como sede é exatamente este: facilitar o acesso universal e propagar a conscienciologia para o maior número possível de pessoas. Os turistas são sempre muito bem vindos!

É um reduto de conhecimento e todos têm liberdade para estudar. Você chega, recebe um crachá de visitante e as pessoas do lugar logo vêm prontas para esclarecer e explicar. Digamos que é até difícil andar por ali sem que ninguém te pare para conversar.

Inclusive, teremos nos próximos anos, um megacentro cultural voltado para os estudos e o autoconhecimento. O projeto foi doado por Oscar Niemeyer e será aberto ao público em geral.

Conhecendo os espaços

Laboratórios individuais

As pessoas ficam ali durante cerca de 3 horas. Cada um destes laboratórios tem um tema de pesquisa. São individuais porque o estudo é sempre uma autoanálise e não um estudo do outro.

Um dos laboratórios tem como tema a pensenologia. Nele os objetos de estudo são os pensamentos, os sentimentos e as energias. Ali as pessoas estudam sobre como podem aperfeiçoar o conjunto do seu pensamento e da sua energia (chamado por nós de pensene), de forma mais positiva.

Cada laboratório têm seus livros e um manual que explica como proceder para atingir seus objetivos. Cada um desses laboratórios tem uma equipe extrafísica, de espíritos, que auxiliam no trabalho.

Praça da Paz

Tem um grande significado para a conscienciologia. O Monumento da Paz e a bandeira da ONU – Organização das Nações Unidas, entidade que vem ajudando a humanidade na sua evolução, representam os princípios e aspirações dessa filosofia: a união dos países em um estado mundial, a liberdade individual, o altruísmo e a paz.

Conscienciologia - Praça da Paz ONU

 

Biblioteca

Uma das maiores bibliotecas do mundo e a maior das Américas em número de livros sobre parapsiquismo.

Se você quiser saber mais sobre formigas, por exemplo, pode encontrar informações de forma fácil, em vários idiomas. A biblioteca é separada por temas e a organização é impecável.

Estátuas Amarelas

Pessoas que contribuíram com a evolução humana das mais diversas formas, nas mais variadas áreas do conhecimento, seja na filosofia, na medicina, na ciência, nos trabalhos voluntários, na política ou em outras áreas. O número de estátuas está sempre aumentando.

Conscienciologia - Estátuas Amarelas

Curiosidades

  • Não descartam que possa haver vida em outros planetas.
  • Acreditam que Hitler era um transmigrado de um estágio evolutivo menor que o nosso.
  • Para eles, por já termos consciência de que fazer o mal é um erro, não temos o direito de cometê-lo.
  • Segundo a filosofia da conscienciologia, o nível máximo de evolução é quando não é mais preciso renascer.
  • Acreditam na energia imanente – energia da natureza que pode ser observada tanto do ponto de vista físico quanto do ponto de vista extrafísico.
  • A conscienciologia utiliza muitos neologismos. Essas novas palavras são utilizadas para nomear suas novas teorias e descobertas.

 

Se quiser saber mais sobre o tema pode acessar o site da CEAEC.

Deixo aqui um agradecimento especial ao Gabriel Curan pelas informações.

 

Beijos e qualquer coisa, conte comigo!

Gi Salvatti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *